17 jul

Proteger nossas florestas é conservar à vida!

Conservar uma floresta é conservar todas as formas de vida – a nossa e de toda biodiversidade. É proteger também o conhecimento e a história de um lugar, sua paisagem e, ao mesmo tempo, contribuir para a formação emocional, física e intelectual de novas gerações, ao promover a relação das pessoas com a natureza.

Em 17 de julho, celebra-se o Dia de Proteção às Florestas e nós aproveitamos esta data para trazer algumas marcas alcançadas ao longo de quase duas décadas de atividades para a conservação no Parque das Neblinas – uma das áreas de preservação do maior contínuo de Mata Atlântica do Brasil. Confira:

  • Até 2017, temos 253 espécies de biodiversidade já identificadas em nosso Parque. Só de aves são mais de 200 espécies, um prato cheio para os birdwatchers de plantão.
  • 4 mil alunos e 100 educadores: é o número de participantes já envolvidos no Meu Ambiente, programa de Educação Ambiental que desenvolvemos, desde 2010, com o intuito de estreitar as relações das pessoas com a natureza e valorizar o potencial educador dos ambientes naturais, integrando o aprendizado dentro e fora da sala de aula.
  • Reintrodução da palmeira-juçara. A palmeira-juçara é uma espécie-chave para conservação, pois alimenta boa parte da fauna em época de escassez alimentar na floresta. Porém, ela é muito ameaçada pela extração ilegal do palmito e foi quase extinta na área. Já realizamos, no Parque, a semeadura de mais de 7 milhões de sementes da palmeira e promovemos oficinas de manejo com proprietários rurais do entorno.
  • Já recebemos na reserva mais de 37 mil visitantes, seja para trilhas, canoagem, camping ou cicloturismo.

Pelo trabalho contínuo que realizamos, o Parque das Neblinas é reconhecido, desde 2006, como Posto Avançado da Reserva da Biosfera do Cinturão Verde da Cidade de São Paulo, pelo Programa Homem e Biosfera, da UNESCO.

Assim, contribuímos para conservar cerca de 6 mil hectares de Mata Atlântica, além de compartilharmos essa experiência para a gestão de outras áreas naturais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe seu comentário