14 maio

Rumo à centésima Biblioteca Comunitária Ler é Preciso

Os moradores do povoado de São Félix, na zona rural de Imperatriz, no Maranhão, querem ser mais independentes da região central. Alimentação, vestuário, cultura e lazer geralmente são adquiridos na cidade, a 35 quilômetros. Assim, a notícia de que uma biblioteca comunitária está sendo implantada na Escola Municipal e que será aberta a todos os moradores, além dos 126 alunos da Educação Infantil ao Ensino Fundamental, foi motivo para comemorarem.

“Tenho boas expectativas. Aqui tudo é muito difícil para nós. E nós sabemos o quanto a leitura pode ser importante. Vai ser um prazer muito grande, sabe? O assunto é de grande importância, sim”, diz a moradora Raimunda Fernandes dos Reis. A vizinha Ana Célia Miranda de Oliveira concorda, e reforça: “Vai ser ótimo. Quando precisamos pesquisar alguma coisa, temos que ir a Imperatriz. A comunidade é muito pequena e dependente de Imperatriz para tudo!”. Essa espécie de emancipação, tão emblemática na figura de uma biblioteca, é percebida como um passo significativo no diálogo com o pode público.

E tudo começou com muito diálogo, nessa parceria entre poder público, setor privado, comunidade e organização social. Representantes do Projeto Biblioteca Comunitária Ler é Preciso, do Instituto Ecofuturo, se reuniram em novembro de 2013 com membros da Educação do Campo, da Secretaria de Educação e Secretaria Municipal de Imperatriz, além da área socioambiental da Suzano Papel e Celulose, Secretaria da Escola Municipal São Félix, Sindicato de Trabalhadores Rurais e Associação das Quebradeiras de Coco.. Outras lideranças comunitárias presentes eram formadas sobretudo por mães e pais de alunos – pessoas que já estudaram na Escola Municipal São Félix e agora têm os filhos matriculados nessa escola, que é muito querida pelos moradores e vive aberta ao público.

Se alguns elementos padrão e exigências técnicas específicas devem ser observados desde o primeiro pensamento sobre a criação de uma biblioteca, outros elementos nascem dos anseios da comunidade a quem a biblioteca se destina. Foi assim que, na hora de colocar na mesa seus próprios anseios para desenhar sua biblioteca escolar e comunitária, através dos representantes desse distrito de 4.593 habitantes, São Félix tinha seus desejos na ponta da língua: querem um espaço para realização de atividades em braille, e um espaço exclusivo para pessoas que não sabem ler.

Desejos, aliás, visivelmente coerentes, para essa população que anseia por independência e decidiu começar o exercício de sua liberdade entre leitura, leitores e livros.

Serviço: A Biblioteca comunitária de São Félix está em processo de implantação e sua inauguração está prevista para outubro de 2014. Esta será a centésima biblioteca inaugurada pelo Instituto Ecofuturo com o patrocínio da Suzano Papel e Celulose.

Escola Municipal São Félix

Povoado de São Félix – Estrada do Arroz.

Imperatriz – MA

Autor: Reni Adriano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe seu comentário